top of page

A perseverança e exemplo da missionária Janete MacClanaham

No dia 2 de março de 2023, na cidade de Topeka, estado do Kansas (USA), tive a honra de participar de um evento muito especial. Na companhia de vários irmãos, louvamos ao Senhor pelos 62 anos de ministério da missionária Janete MacClanahan no Brasil.


Pr. Péricles, Janete e Pr. Jenuan


Eu tinha apenas 11 anos de idade quando, pela primeira vez, tive o privilégio de ser instruído por dona Janete em um acampamento infantil no interior do Ceará. Embora ainda lutando com algumas palavras da nossa língua, ela nos contava as histórias bíblicas, o que fazia com grande entusiasmo.


Ao longo dos anos, encontramo-nos esporadicamente em eventos tais como retiros e encontros das igrejas batistas regulares do Ceará. Até que, em 1987, quando iniciei meu curso no Seminário Batista do Cariri, dona Janete se tornou minha professora. Além das aulas de inglês, ela me ajudou no ministério da AMEN (Associação de Missões Estrangeiras e Nacionais), projeto missionário voluntário para professores e alunos do seminário. Nesse tempo, em várias ocasiões, dona Janete nos conduzia no seu automóvel para os locais onde íamos fazer conferências e apresentações missionárias. Depois que sai do seminário, vez por outra tinha oportunidade de rever a querida professora que, apesar da passagem do tempo, parecia sempre “firme e abundante na obra do Senhor”.


Inicialmente, dona Janete serviu como missionária solteira na região do Cariri (Ceará) com a missão Baptist Mid-Mission. Depois de anos no Brasil, casou-se com o missionário Frederico MacClanham unindo-se ao projeto ministerial do seu esposo, passando a servir por 12 anos no estado do Rio Grande do Norte. Nesse tempo transferiu-se para a missão Association of Baptist for World Evangelism (ABWE). Depois da morte do esposo, retornou ao Cariri onde permaneceu até seu retorno definitivo aos Estados Unidos.


Dona Janete sempre foi conhecida pelo seu interesse no ministério com mulheres e crianças. Além disso, seu amor pelo ministério de treinamento de obreiros era notável. Ao longo dos anos, fez parte do corpo docente do Seminário Batista do Cariri. Visto que morava no campus do seminário, era uma professora extremamente acessível à comunidade estudantil. Mulher de oração e visão, ela também se sobressaia por sua generosidade e cuidado com as famílias dos seminaristas casados.


Sem dúvidas, estar com dona Janete no dia em que sua igreja enviadora louvava a Deus pelos 62 anos de ministério no Brasil foi um bônus especial da graça do Senhor. Como disse no culto em Topeka, a minha gratidão era em nome de milhares de brasileiros que foram abençoados pela vida e amor da querida missionária.


Por enquanto, dona Janete seguirá morando com sua cunhada Deanna na sua cidade natal. Seu coração generoso e hospitaleiro continua aberto para receber irmãos brasileiros que porventura passarem por lá. Contudo, quem vai visitá-la deve ir preparado para servir, pois, aos 84 anos, ela continua ativa no ministério. Não se deixando abater pela limitações próprias da idade, dona Janete ainda ensina crianças e mulheres, e tem um trabalho contínuo de visitação e evangelismo de idosos. Por experiência própria posso garantir: quem for vê-la, terá de servir junto com ela, e será impactado pela sua disposição, movida pela certeza de que “no Senhor, vosso trabalho não é vão”.






Comentarios


bottom of page