top of page

Além de Rótulos: Seitas Sob a Ótica Cristã

"Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo coceira nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências" (2 Timóteo 4:3)

Seitas manipuladoras de mentes vazias

É comum que pessoas reajam de maneiras diversas quando se aponta que algumas religiões são consideradas seitas. No entanto, para que não haja uma má interpretação desse pensamento é preciso discutir o termo “seita”, considerando que sua definição pode variar de acordo com diferentes perspectivas. No contexto cristão, adotamos uma visão centrada em Cristo (que, modéstia à parte, é a única visão correta).


O alerta do Apóstolo Paulo a Timóteo sobre surgimento de seitas (2 Timóteo 4:3) é relevante para nós atualmente, ainda mais tendo em vista que a cada dia os desejos humanos são postos acima da vontade de Deus. O perigo reside na possibilidade de desvios do ponto de vista cristocêntrico para uma cosmovisão antropocêntrica, levando a interpretações relativas da Palavra de Deus e até mesmo adulterações na Bíblia Sagrada.


Um outro grande desafio para nós é que uma seita nem sempre está associada a práticas como adoração a satanás, sacrifícios de crianças, sangue de bode ou outros rituais macabros (pelo menos não explicitamente). Pelo contrário, muitas seitas adotam uma aparência inofensiva, enganando sutilmente seus seguidores ao sugerir que todos os caminhos levam a Deus, ou, ainda pior, afirmando que suas verdades são as únicas corretas.


O termo “seita”, derivado do latim, significa “dividir”. Ela e usado para descrever grupos que se afastam de uma comunidade maior devido a divergências em doutrinas, ideologias, sistema filosóficos, religiosos e até políticos. Embora generalizações devam ser cuidadosamente colocadas, uma postura crítica é justificável ao lidar com grupos que se isolam e adotam interpretações exclusivistas sem fundamento claro na Palavra de Deus ou na história da igreja.


Para nós, cristãos comprometidos unicamente com verdades bíblicas, uma seita é caracterizada por negar pontos essenciais do cristianismo e introduzir “novas interpretações” da Palavra de Deus. Alguns exemplos comuns incluem negar a divindade de Jesus, exigir obras ou batismo para a salvação, questionar a suficiência da Bíblia e até proclamar exclusividade soteriológica.


Portanto, o que nos resta é decidir qual será a postura que adotaremos diante de tais grupos que claramente se afastam da verdade ensinada por nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Deveríamos ser tolerantes, compassivos e não confrontar ensinos errados? Ou deveríamos considerar que tais caminhos são caminhos diabólicos e mortais levando a perdição eterna? Eu sempre fico com a postura do meu Senhor ao se dirigir às seitas de sua época:


“13. Mas ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que fechais aos homens o reino dos céus; e nem vós entrais nem deixais entrar aos que estão entrando. [...] 24. Condutores cegos! Que coais um mosquito e engolis um camelo. 25. Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que limpais o exterior do copo e do prato, mas o interior está cheio de rapina e de intemperança. 26. Fariseu cego! Limpa primeiro o interior do copo e do prato, para que também o exterior fique limpo. 27. Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda a imundícia. 28. Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas interiormente estais cheios de hipocrisia e de iniquidade. [...] 33. Serpentes, raça de víboras! Como escapareis da condenação do inferno?” (Mateus 23:13; 24-28; 33)


_______________________________________

Pr. Thiago Lima

Missionário em Iperó/SP

thiagob.lima@gmail.com | (15) 97403-8736





bottom of page