top of page

Família Vieira no Japão

Nesta notícia, estou transcrevendo um relato do missionário Pr. Rafael, para que nossos leitores sintam um pouco do que é trabalhar em uma cultura bem distante da nossa.

“Nossa vizinha é a dona do apartamento que moramos. Ela é muito idosa. O Senhor já nos deu a chance de vê-la algumas vezes. Misael já foi ajudá-la a varrer a calçada; no dia das mães lhe demos uma rosa. Por algumas semanas, sentimos sua falta. Não a vimos dirigir seu carro e aguar as plantas. Algumas vezes pensei em perguntar por ela, mas a ação não seria bem aceita na cultura japonesa. Comentando com um irmão sobre isso, me disse que provavelmente ela poderia até já ter morrido”.


“Numa tardinha, saindo de casa, vi na casa dela uma mulher de costas. Levei o celular lá, com fé de que podia ser ela. Ela me reconheceu e demonstrou que estava com problemas na coluna. Traduzi um texto no celular para o japonês. Escutei a voz dela, lendo: "Estávamos sentindo sua falta. Vamos orar por sua saúde. O Senhor Jesus Cristo tem poder para sarar as dores". Ela agradeceu: ‘Arigatô’. Ao final, entreguei meu cartão e disse que estava à disposição para o que precisasse”.


“Naquela tarde, o Senhor nos deu duas alegrias: saber que ela estava viva e que ouviu sobre Jesus. Pode ser que tenha sido a primeira vez que ela soube que Jesus, o Deus dos estrangeiros, podia ajudá-la. Ore por mais oportunidades com ela”.


Rafael nos relatou que há muitas limitações para evangelizar no Japão. Agora, depois de conseguir a carteira de habilitação de lá, ele disse que está indo bem como motorista, pois o trânsito é calmo e os motoristas respeitam os iniciantes não exigindo pressa. Facilitou as idas à igreja, fazer compras, fazer visitas, entre outras atividades.

APELO:


Em Junho comemorou-se no Brasil, 115 anos do início da imigração japonesa ao nosso país. Depois daquele primeiro desembarque, os brasileiros tiveram mais acesso aos asiáticos. O japonês se espalhou por todo o Brasil. Pergunta: Na sua cidade existe japoneses ou descendentes?


A razão desta pergunta é para levar-nos a refletir sobre a evangelização desse povo amigo que continua sendo um desafio para a igreja brasileira. Vemos poucos japoneses crentes no Brasil.


Outras perguntas: Sua igreja está preparada para alcançar os descendentes nipônicos? Caso seu filho ou filha desejasse ir ao Japão como obreiro, você o apoiaria ou resistiria?


Lembre-se que o Japão é um dos países no mundo com menos de 1% de cristãos. Ore pelos missionários Pr. Rafael, Ana Lídia, Misael e Isabela Vieira, especialmente pelo aprendizado da língua e adaptação cultural.


WhatsApp: 81 80 61994905





Comments


bottom of page