top of page

Marlete – uma vida abreviada, mas intensa

07/10/1977 a 15/04/2023

No dia 27 de novembro de 1999, em Serrana SP, os jovens André Luís Moreira e Marlete Sandra Lima uniram-se em matrimônio constituindo a Família Moreira que geraria, Maria Eduarda, Ester Cristina e André Luís Moreira Filho. Em pouco mais de 24 anos após o enlace, aos 46 de idade, Marlete teria a vida ceifada por Deus, deixando o esposo André com as duas filhas e o filho. Nascida em Montalvania MG, de uma família católica, filha de Alvino José de Oliveira e Maria da Conceição Lima, Marlete teve nove irmãos.

Converteu-se a Cristo em julho de 2003 em um culto na Igreja Batista Independente de Serrana SP. No ano seguinte, em 2004 no mês de agosto já estava matriculada no Instituto Batista Ebenézer em Ribeirão Preto SP, para o preparo teológico, tendo em vista o campo missionário. Sua formatura deu-se em junho de 2007. Logo em seguida, de fevereiro de 2008 a junho de 2009, formou-se pelo Instituto Missionário Shekinah da MNTB. Marlete formou-se, também, em Pedagogia, pois isso ajudaria na obra do Senhor. Antes de saírem para o campo missionário, Marlete e seu esposo Pr. André serviram na igreja local em Serrana em várias áreas por sete anos.

O primeiro campo de atuação missionária, de 2010 a 2017 foi na evangelização do povo da etnia Kaxinawá, no Acre. Depois disso, o restante do ministério entre março de 2019 a abril de 2023, no Centro de Treinamento Missionário Shekinah em Anápolis GO, ministério da MNTB. Ao todo, Marlete serviu como missionária de fevereiro de 2010 a abril de 2023. Na segunda etapa, servindo em Anápolis GO, Marlete já lutava contra um câncer diagnosticado no parto do filho André.

Após a saída da aldeia, por causa da saúde, Marlete sempre deixava nas igrejas por onde passava, este desafio: “Hoje eu não posso estar em uma aldeia levando o evangelho para os não alcançados, mas coloco à sua disposição os meus calcados para que outros possam ir no meu lugar”.

Ao verbalizar essas palavras, com o peso no coração, ela, literalmente tirava os calçados em sinal de desafio. Mesmo não estando mais entre o povo Kaxinawá na aldeia, ela continuou servindo no ministério de treinar missionários para o trabalho transcultural até o fim de sua vida.

Família Moreira

Escrevendo sobre a sua vida com Marlete, um mês depois do sepultamento da esposa, Pr. André disse: “Quero louvar ao Senhor pelos últimos seis anos, nos quais Marlete estava lutando contra o câncer. Foram anos bem difíceis, com várias internações, cirurgias, exames e efeitos colaterais causado pelas drogas, para tentar combater a doença. Porém, foram anos onde vimos o poder de Deus, o Seu cuidado, a Sua presença…. Foi nEle que Marlete, e todos nós na família, encontramos força, fé e alegria, independentemente das circunstâncias. Louvo ao Senhor pelo tempo de vida da minha esposa e de como ela enfrentou essa luta com um coração totalmente entregue à perfeita vontade do Mestre. Durante estes anos ela não blasfemou, não desanimou e acredito que o maior testemunho que ela deixou foi mostrar alegria e confiança até o findar de sua vida. Algumas horas antes de morrer, perguntei como ela estava, sabendo que tinha pouco tempo de vida, e sua resposta foi ‘Estou bem! Eu sei que estarei no Céu com o Senhor, mas me preocupo com você. Como você ficará?’ E minha resposta, na hora, foi ‘Eu ficarei bem! É o Senhor que cuida de nós, mas com certeza sentirei a sua falta…’. Marlete foi uma excelente esposa, uma ótima mãe e uma missionária exemplar por estar sempre disposta ao serviço. Abdicou de seus familiares, de sua vida, e de qualquer conforto e desejos particulares, para estar sempre na vontade do Pai. Quando ela descobriu o câncer, precisando sair da aldeia onde trabalhávamos, seu maior desejo passou a ser desafiar outras vidas para levar o evangelho aos povos ainda não alcançados”.

O casamento da Duda

Maria Eduarda (Duda) casou-se no dia 10 de Dezembro de 2022, com o Vinicius, em Campinas SP. Estão servindo na Igreja Batista Bíblica Jardim Aeroporto no ministérios com os jovens.

Em setembro 2022, quando os médicos falaram que Marlete não resistiria por muito tempo mais, ela apenas orou e pediu a Deus que pudesse ver o casamento da Duda. Deus atendeu sua oração e permitiu que ela entrasse com a filha no casamento.

Duplo sofrimento

Marlete e Juliana

Para a família de Marlete, o sofrimento na sua morte foi em dobro. Na manhã do dia 16 de abril, antes do corpo da Marlete chegar no velório para o sepultamento em Serrana SP, vindo de Anápolis, sua irmã, Juliana, teve uma forte dor de cabeça. Levada para a UPA, em frente ao velório, teve convulsão e desmaiou. Ali mesmo foi diagnosticado um AVC hemorrágico, fez uma cirurgia, mas, descobriram que no momento do AVC ela já havia tido morte cerebral. Os médicos disseram que ela tinha um aneurisma desde o nascimento que não havia sido diagnosticado, e poderia romper a qualquer momento, inclusive durante o sono. Porém, aconteceu no dia do sepultamento da sua irmã Marlete. O seu falecimento foi dado no dia 18 de abril e o sepultamento dia 20.

Juliana era casada com Johny, e tiveram dois filhos, Davi e João. Todos são crentes e servem na Igreja Batista Independente de Serrana.

Contato com Pr. André Moreira no CTMS – Vianópolis GO E-mail: andre.moreira@mntb.org.br WhatsApp: (16) 99208 4292.

Kommentare


bottom of page