top of page

Jesus, o modelo perfeito de evangelista e da evangelização

Esta é a primeira parte deste texto


Neste artigo pretendo, por meio da Escritura Sagrada, defender que um evangelista para que seja de fato um evangelista cristão deve seguir o exemplo de Jesus Cristo conforme reportado na Bíblia Sagrada. Vou destacar algumas pregações de Jesus, alguns relacionamentos pessoais e sociais, assim como princípios que considero essenciais que Jesus nos legou acerca da ação evangelista cristã.


Desde Sua encarnação (e até antes dela), Jesus é descrito como um evangelista. O escritor aos hebreus afirma que Jesus é o Apóstolo (“Enviado”) e Evangelista de Deus. Nesse sentido podemos afirmar que foi Jesus Cristo, o Jeová Filho que “evangelizou” Adão, buscou o rebelde Caim e salvou Noé e sua família (Hb 3.1; Ef 2.17; Hb 11.1-5). Do mesmo modo o evangelista cristão tem como missão buscar o perdido para que este seja salvo por Jesus (Lc 19.10)


Jesus dependeu do Espírito Santo para seu ministério de evangelização e discipulado. Semelhantemente o cristão para que, de fato, seja um evangelista cristão, deve depender do Espírito de Deus para ir, ficar, partir, pregar, calar-se quando convém, viver e até mesmo morrer seguindo o padrão de Jesus (Lc 4.18; At 1.2; 4.22; 10.38; 2 Tm 1.14).


Jesus comissionou Sua Igreja à evangelização e discipulado mundiais assim como estabeleceu uma “agenda” de evangelização prioritária centrífuga (do “centro” para fora) para que Sua Igreja obedeça. A evangelização cristã deve seguir o padrão determinado por Cristo priorizando os perdidos que estão mais próximos de si ao mesmo tempo em que envia evangelistas missionários aos que estão longe. Os pastores deveriam ter o cuidado de não inculcar à igreja que evangelizar é o mesmo que convidar para o culto evangelístico, mas que sim, pode incluir tais cultos, contudo não ignorar que cada cristão deve fazer “a obra de um evangelista” – isto é, sair em busca dos perdidos (Mt 28.19; Mc 16.15; Lc 4.43; 2 Tm 4.5).


Jesus não se prendia às amarrações das tradições arcaicas por mais que tivessem uma aparência de “santidade”. Jesus não se limitava à evangelização nas sinagogas, tendo evangelizado numa praia, assentado num barco improvisado. Além disso Jesus evangelizou uma samaritana amasiada, permanecendo um tempo considerável a sós com ela, quebrando tabus que dantes eram obstáculos, alcançando também outros “desprezíveis” samaritanos. Jesus sempre atendia convites para eventos sociais onde podia evangelizava também judeus degredados (Lc 5.33-39; 6.1-11; Lc 5.27-33; 15.1,2; Lc 5.1-3; Jo 4.27.)


Jesus não media esforços para evangelizar uma única pessoa. O Mestre recebeu o mestre ancião Nicodemos num horário inadequado e posteriormente enfrentou um sol escaldante para evangelizar apenas uma samaritana (Jo 3-4). Jesus navegou em busca de um único miserável pagão endemoninhado em uma terra “proscrita” (Mc 5.1-19). Jesus evangelizou um cego de nascença que não o buscava (Jo 9). Jesus, em meio à grande agonia na cruz, esforçou-se para evangelizar um “paciente terminal” que agonizava ao seu lado (Lc 23). Jesus mesmo após Sua ascensão evangelizou Saulo na estrada de Damasco (At 9).


drmariomaracaipe.com.br

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page